Cães podem ser geneticamente programados para amar seres humanos

Cães podem ser geneticamente programados para amar seres humanos

extra_large-1475244730-cover-image

Dadas as muitas deficiências da humanidade, é bom saber que alguém gosta de nós – e uma nova pesquisa sugere que eles podem não ter escolha. De acordo com um estudo publicado na revista Scientific Reports, o amor dos cães por seres humanos pode estar escrito em seus genes.

Ao contrário de outros caninos, como os lobos, os cães são naturalmente sociáveis com os seres humanos, o que levanta algumas questões curiosas sobre como eles vieram a desenvolver suas personalidades afetuosas. Para investigar, uma equipe de cientistas conseguiu centenas de cachorros da raça Beagle, para participarem de um teste no qual tiveram de tentar pegar o alimento colocado dentro de caixas com tampas transparentes.

Cada cão era colocado de frente com três caixas, uma das quais tinha a tampa fechada, tornando impossível obter a comida. O objetivo do experimento era ver quanto tempo levou cada cão para recorrer a um ser humano para obter ajuda, quer fazendo contato visual ou correndo até eles.

Ao contrário dos cães, os lobos são conhecidos por persistir por conta própria quando confrontados com tarefas difíceis, mas os cães parecem ter uma tendência natural de depender dos seres humanos quando eles precisam de uma mão.

Alguns cães eram mais relutantes do que outros a procurar ajuda de seus amigos de duas pernas, o que permitiu aos pesquisadores classificá-los em uma ordem de sociabilidade. Eles então tomaram o DNA dos 95 cães com as pontuações mais altas e mais baixas para analisar seus genomas e determinar se alguma característica genética particular poderia ser atribuída a uma alta ou baixa afinidade com os seres humanos.

Eles descobriram que cinco genes, que aparecem em duas áreas genômicas diferentes, parecem estar ligados a uma propensão para o contato humano. Curiosamente, alguns desses genes também estão associados com certos traços de personalidade em seres humanos também.

Por exemplo, um gene chamado SEZ6L foi encontrado e acredita-se estar associado com a dependência de cães em pessoas, e também está envolvido com autismo em seres humanos. Da mesma forma, um gene chamado COMT está ligado com a agressão em adolescentes, déficit de atenção com hiperatividade (TDAH) e esquizofrenia.

Apesar destes resultados, o co-autor Per Jensen disse ao The Guardian que os genes são provavelmente apenas parcialmente responsáveis pelo amor dos cães para com os seres humanos, explicando que “a contribuição genética para esta variação é apenas cerca de 30%, de modo 70% da variação tem de Fazer com coisas, como a experiência e o convívio. “

Fonte: iflscience.com

Confira também: Ter um cachorro pode tornar os homens mais atraentes em uma paquera, afirma estudo