Cientistas observam relacionamento homossexual feminino em Gorilas pela primeira vez

Cientistas observam relacionamento homossexual feminino em Gorilas pela primeira vez

GOGOGRILLA

O comportamento homossexual é praticamente não visto no reino animal. Mas, pela primeira vez, um biólogo documentou evidências de gorilas fêmeas tendo certas “relações sexuais” bem apimentadas, como ele mesmo descreveu.

O comportamento foi observado em Parque Nacional dos Vulcões, em Ruanda por um pesquisador da Universidade da Austrália Ocidental. Os resultados foram publicados há pouco tempo no jornal online PLoS ONE.

O estudo, liderado pelo Dr. Cyril Grueter, professor adjunto da Escola de Anatomia, Fisiologia e Biologia Humana da UWA, detalhou o ato das gorilas como uma forte “proximidade genital” e “fricção genital,” com movimentos pélvicos. Ele também observa que os gorilas foram “proferindo vocalizações copuladores” durante o ato – que presumivelmente é a linguagem científica para “falar besteirinhas”. Ele também conseguiu capturar fotografias do ato, que até agora só foi observado em cativeiro.

Mas este está longe de ser o único caso. Eles descobriram que cerca de 18 gorilas fêmeas de 22 estudadas, também tiveram relações com outras gorilas.

“Dado que todas estas observações vêm de grupos selvagens, não gorilas em cativeiro, é óbvio que a atividade homossexual é parte do comportamento natural dos gorilas”, disse Dr. Grueter em uma nota. “Minha impressão é que estas fêmeas sentem muito prazer tendo relações sexuais com outras mulheres.”

Isso está em contraste com outras teorias que o comportamento homossexual em primatas é usado tanto como uma afirmação agressiva de domínio ou como uma forma de vínculo social.

Dr. Grueter também observou que ele chamou de um “efeito pornográfico”. Em alguns casos, ele percebeu que as fêmeas se envolvem em um relacionamento com um gorila do mesmo sexo pouco depois de terem visto um macho adulto iniciar o sexo com outra fêmea. Isto sugere que este comportamento poderia agir como uma saída alternativa para a sua excitação sexual.

Alternativamente, uma outra hipótese do estudo, que Greuter admite,  mas que precisa ser mais estudado, é que as fêmeas “ficam” nesse comportamento para diminuir a motivação de outra fêmea para ter relações sexuais com machos, a fim de garantir seu próprio sucesso reprodutivo.

Fonte: iflscience.com

Confira também: Cannabis no espaço – NASA descobre THC em fragmento de meteoro