Existem pouquíssimas evidências de que o fio dental realmente funciona

Existem pouquíssimas evidências de que o fio dental realmente funciona

extra_large-1470226189-cover-image

Não minta, todo mundo exagera quando vai dizer ao dentista quantas vezes usa o fio dental. No entando, talvez você não precise se sentir culpado na próxima vez que não usar o fio dental – existe, surpreendentemente, muito pouca evidência de que ele é bom pra sua saúde dental.

No ano passado, a Associated Press (AP) enviou petições de Liberdade de Informação aos Departamentos de Saúde e de Serviços Humanos e de Agricultura, requerendo evidências de que o fio dental funciona. Por lei, estas informações devem ser amparadas por evidência científica.

Eles receberam uma carta de volta das autoridades em que diziam nunca ter pesquisado totalmente os benefícios de se usar o fio dental. As diretrizes do governo federal dos EUA sobre nutrição esse ano foram divulgadas e aparentemente, sem nenhuma notificação ou explicação, eles removeram sua recomendação de usar fio dental.

O conceito por trás do uso do fio dental é que ele ajuda a remover a placa, uma camada grudenta de bactéria, que se forma entre os dentes. Essa bactéria pode causar queda dos dentes e gengivite. A maioria desta placa é lidada através da escovação feita com pasta de dente com flúor. Existem algumas áreas, como entre os dentes, que a escovação não pode alcançar. No entanto, a extensão da contribuição do fio dental nesse processo de combater a placa não foi apropriadamente pesquisada.

Duas das autoridades dentárias liderantes nos Estados Unidos – a American Dental Association (ADA) e a American Academy of Periodontology – parecem basear suas recomendações do uso do fio dental em estudos datados que testaram uma quantidade muito pequena de grupos por curta duração. Um dos estudos testou apenas 25 participantes após um único uso do fio dental. Outras pesquisas buscaram se focar somente em “sinais de alerta” mais brandos, como sangramento, e não procuraram analisar as gengivas ou cavidades.

O relatório da AP também observou 25 estudos que avaliaram os benefícios de escovação e uso do fio dental comparados a apenas escovação. A evidência em favor do uso do fio dental variou entre “fraca, pouco confiável” a “muito baixa”.

A AP até sugeriu que as empresas que produzem o fio dental “pagaram pela maior parte dos estudos e em alguns casos até elaboraram e conduziram a pesquisa”.

Falando em estudos que são usados para justificar o uso do fio dental, o dr. Marcelo W. B. Araujo, vice presidente do Instituto de Ciência da ADA e ex-executivo da Johnson & Johnson, disse à AP: “O financiamento pode vir de companhias – não há problema nenhum nisso. A elaboração (do estudo) pode partir da companhia”.

De qualquer forma, embora a evidência seja conflituante, muitos dentistas ainda dizem que o uso do fio dental não é totalmente sem sentido. A ADA fez um pronunciamento em resposta ao relatório, mantendo a posição de que “os limpadores entre-dentes como o fio dental são parte essencial dos cuidados com o dente e a gengiva”.

Falando com a AP, o dentista Tim Iafolla, do National Institutes of Health, adotou a filosofia de que o uso do fio dental não vai prejudicar os dentes, mas que pode ajudá-los.

“É de baixo risco e baixo custo”, ele disse. “Nós sabemos que existe a possibilidade de que ele funcione, então estamos seguros em dizer às pessoas para ir em frente e usá-lo”.

Fonte: IFLscience.com

Confira também: 20 guloseimas do passado que marcaram época