Gestante perde o bebê após enfermeira dar pílula abortiva por engano

Gestante perde o bebê após enfermeira dar pílula abortiva por engano

Em julho de 2016, Zhao Li foi para ao “Pudong” Maternidade e Hospital Infantil em Xangai, na China, para um exame de rotina de gravidez. Ela tinha quatro meses na época.

Os médicos disseram que ela precisaria ficar no hospital para receber cuidados adicionais, após alguns dos resultados do teste mostrarem irregularidades. Mas pouco mais de um mês depois que ela foi dispensada da internação, ela deu à luz um bebê com apenas 23 semanas de gravidez. Infelizmente, ele não sobreviveu – e sua mãe diz que uma das enfermeiras do hospital é a culpada.
Durante sua estadia inicial, Li recebeu fluidos de um gotejamento, o famoso “soro”. Dois dias mais tarde, seu corpo foi coberto em uma erupção vermelha de uma reação alérgica a seus remédios.

1Para impedi-la de abortar, seu médico lhe receitou didrogesterona – mas uma enfermeira inexperiente acidentalmente deu-lhe uma pílula abortiva chamada mifepristone.

Apesar de ter sido questionada várias vezes por Li e seu marido sobre a droga, a enfermeira lhes garantiu que era a medicação correta. No entanto, quando perguntaram a outras enfermeiras sobre isso, ela foi imediatamente levada para outro hospital para tratamento de emergência.

Os médicos fizeram o melhor para fazê-la vomitar a pílula de volta, mas não conseguiram confirmar o quanto ela já havia absorvido. Ela foi transferida de volta ao hospital anterior, onde passou por dores de estômago, vômitos e sangramento vaginal.

Ela teve alta em 21 de julho, mas ela estava de volta ao hospital apenas um mês depois e deu à luz apenas 23 semanas de gravidez. O bebê prematuro não conseguiu sobreviver.

3Através de um porta-voz, o hospital admitiu o erro da enfermeira, porém, eles disseram que mifepristone não era a razão para o nascimento prematuro do bebê ou morte.

Fonte: ViralNova.com

Confira também: A maneira que você escreve pode revelar muitas coisas sobre a sua personalidade